Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Sete Doses
 UOL - O melhor conteúdo
 Juvenal Pereira - Caxiúna
 Paulo Schmidt
 F. Vives
 Rodrigo Miotto
 Cris Casagrande
 Domingos Oliveira
 Eugênia Zerbini
 Marcelo Katsuki
 Prof. Fernando Jorge
 JOTABÊ MEDEIROS (ESTADÃO)
 Editora Topbooks
 Augusto Nunes
 Chico Anysio
 Caio Liudvik
 Bernardo Schmidt
 Alex Solnik
 Eu tenho uma amiga
 Luiz Schwarcz
 Mixirica
 Geneton de Moraes Neto
 Luis Avelima
 Aníbal Bragança (bibliófilo)
 UBE
 Luiz Antonio Giron
 Luiz Maklouf de Carvalho
 Casa de Rui Barbosa
 Dagomir Marquezi
 Acad. de Letras de Campos do Jordão
 Pedro Paulo Filho
 José Santilli Sobrinho
 Nina Horta
 Marcelo Coelho
 Cecília Prada
 Florivaldo Menezes
 Ivo Barroso
 Ésio Macedo Ribeiro
 Maestro Georges Henry
 Renata Pallottini
 Tiro de Letra (José Domingos Brito)
 Felisbelo da Silva




Senador manda brasa
 


POR QUE VER "RATATOUILLE"

 

"Culinária é para mentes criativas, corações fortes (...) Qualquer um pode cozinhar." Chef Gusteau, ídolo do ratinho Remy, fundador e falecido dono do restaurante "Gusteau's", em cuja cozinha a dupla Linguini/Remy fizeram fama


Nunca fui propriamente afeito a animações, mas não consigo entender como até esses dias não havia assistido "Ratatouille" (2.007, Pixar). Eu de rigueur cultivo demais da conta filmes que tenham a alquimia das panelas e a mágica do sabor no seu cerne. Tenho o meu top ten desses filmes. Pois a história do pequeno rato chef Remy já está catalogado entre eles. Ninguém que se realize como pouca vez manuseando temperos, manipulando facas, cortando legumes, testando ingredientes e especiarias vai resistir a "Ratatouille". Pra mim, foi uma experiência sensorial única, digam o que disserem. Ele era o rato que ousava, que não abria mão de surpreender os comensais do restaurante, nem que fosse com a "comida de camponês" com que dobrou o implacável, temido e mal-amado (kk) Ego. O rato não se contentava com o lixo como os outros roedores. Ao fim da experiência inigualável, o impiedoso crítico, absolutamente rendido, regalado, enfeitiçado pela receita, sentencia: "Nem todos podem se tornar grandes artistas, mas grandes artistas, podem vir de qualquer lugar." Poucas vezes dei com uma galeria de personagens mais interessantes. Como é hilário ver o ratinho comandar Linguini pelos cabelos fazendo o garoto se passar por um culinarista "top". Assistiria mais duas vezes essa semana. Tenho dito.

Abaixo a sinopse que li alhures:

Paris. Remy (Patton Oswalt) é um rato que sonha se tornar um grande chef. Só que sua família é contra a idéia, além do fato de que, por ser um rato, ele sempre é expulso das cozinhas que visita. Um dia, enquanto estava nos esgotos, ele fica bem embaixo do famoso restaurante de seu herói culinário, Auguste Gusteau (Brad Garrett). Ele decide visitar a cozinha do lugar e lá conhece Linguini (Lou Romano), um atrapalhado ajudante que não sabe cozinhar e precisa manter o emprego a qualquer custo. Remy e Linguini realizam uma parceria, em que Remy fica escondido sob o chapéu de Linguini e indica o que ele deve fazer ao cozinhar.



Escrito por gabriel às 23h47
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]