Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Sete Doses
 UOL - O melhor conteúdo
 Juvenal Pereira - Caxiúna
 Paulo Schmidt
 F. Vives
 Rodrigo Miotto
 Cris Casagrande
 Domingos Oliveira
 Eugênia Zerbini
 Marcelo Katsuki
 Prof. Fernando Jorge
 JOTABÊ MEDEIROS (ESTADÃO)
 Editora Topbooks
 Augusto Nunes
 Chico Anysio
 Caio Liudvik
 Bernardo Schmidt
 Alex Solnik
 Eu tenho uma amiga
 Luiz Schwarcz
 Mixirica
 Geneton de Moraes Neto
 Luis Avelima
 Aníbal Bragança (bibliófilo)
 UBE
 Luiz Antonio Giron
 Luiz Maklouf de Carvalho
 Casa de Rui Barbosa
 Dagomir Marquezi
 Acad. de Letras de Campos do Jordão
 Pedro Paulo Filho
 José Santilli Sobrinho
 Nina Horta
 Marcelo Coelho
 Cecília Prada
 Florivaldo Menezes
 Ivo Barroso
 Ésio Macedo Ribeiro
 Maestro Georges Henry
 Renata Pallottini
 Tiro de Letra (José Domingos Brito)
 Felisbelo da Silva




Senador manda brasa
 


A HISTÓRIA DA BANDEIRA DE SÃO PAULO (CONTADA PELO SEU IDEALIZADOR) E OUTROS PLÁS

 

 

Gabriel Kwak

 

O procurador aposentado Lauro Ribeiro Escobar conhece Heráldica como poucos. Foi o idealizador de centenas de bandeiras e brasões de armas de municípios brasileiros, inclusive da bandeira paulistana. Numa tarde, Lauro dividiu comigo a história da concepção da bandeira de São Paulo, além de cuidar, de raspão, de outros episódios dos bastidores do poder. Com a palavra, Lauro Escobar:

 

Escobar - A história da bandeira de São Paulo teve surgimento quando da primeira FENITE, a Feira Nacional de Indústria Têxtil. Era daquela firma Alcântara Machado Feiras e Eventos, do Caio Alcântara Machado, que era uma companhia bem-estruturada. Fizeram uma propaganda muito grande e, no Viaduto do Chá, em cada ressalto dele está uma bandeira, quatro mastros com duas bandeiras paulistas e duas paulistanas. Naqueles quatro mastros, a FENITE colocou a bandeira nacional, a bandeira paulista, a bandeira da FENITE e queria colocar a bandeira paulistana, mas não existia. São Paulo só tinha o brasão de armas, que vem desde 1917, foi criado por dois gigantes de São Paulo que foi o poeta Guilherme de Almeida e o grande desenhista José Wasth Rodrigues.

 

Só que estava surgindo a conveniência de haver uma bandeira paulistana. Não havia e eles puseram no centro de um retângulo branco o brasão de armas da cidade. Foi o que ocorreu à Alcântara Machado. Nas FENITEs eles hasteavam essa bandeira branca com o brasão de armas no centro. Alguém na Prefeitura, gostou da idéia e começaram a hastear essa bandeira em algumas repartições públicas. Naquela época, eu já estudava o assunto - quer dizer, estudava por diletantismo, como até hoje, eu sou diletante nessa matéria...

 

Gabriel - Isso é modéstia do senhor...

 

Escobar - Não é modéstia. Não sou um profissional. Eu tenho muitos projetos, tenho mais de trezentos municípios com brasão de armas e bandeiras de minha autoria. Tenho estandartes e brasões de batalhões, de setores da Polícia Militar...Em São Paulo, eu tenho projetos em mais de duzentos municípios paulistas: São Vicente, por exemplo. Eu nunca faço nada a não ser que seja solicitado. Quando o Município não tem brasão de armas nem bandeira, é fácil, eu faço. Quando já tem, aí eu tenho que fazer primeiramente um estudo. Não é difícil. Eu sempre leio, continuo lendo, gosto do assunto. Foi o que me preparou para a aposentadoria. Porque o pior que há na aposentadoria, é o cidadão se aposentar e continuar fazendo a mesma coisa. Não deve. Quando se aposenta, ele tem que virar a mesa.

 

Quando o Município já possui brasão de armas e bandeira, e, mesmo assim, o prefeito tem dúvidas quanto à correção e me consulta...Eu não vou me oferecendo, eu acho que seria contra a ética. Faço um estudo e faço o meu projeto. Sempre que possível, eu uso elementos do brasão de armas anterior. Ás vezes, a correção é uma mera sintonia, pequenas coisas. Bauru, por exemplo, eu sou o autor da bandeira de Bauru. O brasão é como era, só que com uma sintoniazinha.

 

Naquela época, quando surgiu a idéia de São Paulo ter a sua bandeira e algumas repartições já estavam utilizando aquela bandeira idealizada pela Alcântara Machado, perguntavam o que eu achava. "Isto é bandeira de aldeia", eu dizia. A bandeira de campo inteiramente branco com o brasão de armas no centro é bandeira de aldeia. Aí perguntaram: "E aldeia tem direito a bandeira e a brasão?" "Depende do país. Na França, é perfeitamente possível. Em Portugal também. No Brasil, não, porque a Constituição diz que só têm direito aos símbolos próprios os Estados, os municípios e o Distrito Federal. Esses países em que é possível são países que são berço da Heráldica." A Heráldica surgiu na Europa Ocidental, onde exatamente não se sabe. A época exatamente não se tem notícia. Naquela época, ninguém sabia escrever. Ler e escrever era para os monges e para os sabedores, os cientistas da época. E os legisladores - não os legisladores no sentido atual, eram os que faziam as leis. Nem os reis eram alfabetizados. Ninguém escreveu sobre Heráldica quando ela surgiu.

 

Eu dizia isso: essa bandeira não dá, é bandeira de aldeia. Na Prefeitura, abriram um processo para estudar o assunto. Na Prefeitura, não havia um estudioso naquela época sobre o assunto. Havia várias pessoas que conheciam a matéria aqui em São Paulo, mas ninguém foi ouvido. Aquele processo ficou baqueando de um lado para o outro, ficou aumentando, mas não resolviam nada. Quando o Jânio subiu ao poder como prefeito, no seu último mandato - depois disso, ele morreu - o processo foi à mesa dele. O Murillo Antunes Alves era o chefe de cerimonial e o Jânio o encarregou de resolver o problema. O Murillo começou catar as pessoas para formar a comissão, o tal grupo de trabalho. O Murillo havia sido chefe de cerimonial do governo do Estado e eu trabalhei no Palácio do Governo por sete anos, desde o tempo do professor Carvalho Pinto. Eu era procurador do Estado concursado e fui convidado para trabalhar no então Serviço de Assistência Jurídica e, depois, Assessoria Jurídica do gabinete do governador. O cargo era privativo de procurador do Estado concursado, era um grupo muito bom de doze. Depois, subiu para quatorze, criaram uma subchefia...Todos eles apolíticos. Quando fui convidado, fui convidado pelos colegas, não foi pelo governador. Nós precisávamos de gente que fosse pra arregaçar as mangas e trabalhar corretamente. Sem interesse algum. Eu até nem entendia muito de Direito Administrativo, a minha área era outra. Mas o colega que me indicou confiou no meu taco. O chefe do Serviço era Cássio Egídio de Queirós Aranha. Eu fiquei lá 27 anos. Ninguém mexia conosco. Nenhum governador pediu coisa nenhuma...

 

Assim eu fiquei conhecendo pessoalmente o Murillo. Dávamos muito bem. Depois, quando ele foi pra Prefeitura para ser chefe do Cerimonial, ele se lembrou que eu estudava o assunto e me convidou para participar do grupo de trabalho. Mas acontece que o governador daquela época era o Montoro. E o Montoro e o Jânio não se bicavam muito. Pelo menos, aparentemente. Eu disse ao Murillo: "Olha, eu vou. Mas acontece o seguinte: eu quero que faça a coisa dentro dos estatutos. Porque eu não quero me arriscar, eu sei que o prefeito e o governador não estão em muito boa paz e eu não quero ficar como um marisco entre o mar e o rochedo." Enquanto os papéis estavam correndo eu comecei a pensar qual seria o meu projeto para a bandeira de São Paulo." E fiz lá o projeto simples, bem visível. Quando o grupo se reuniu, eu disse: "Eu fiz um projeto." "Ah, então, traga." O pessoal gostou. Eles apresentaram um outro projeto, mas era daqueles muito comuns...

 

Fizemos o projeto de lei, que cuida do brasão de ramas e da bandeira. As sucessivas leis que cuidavam do brasão de armas faziam a descrição, mas não a interpretação. Essa interpretação já existia feita pelos próprios autores do brasão de armas. E essa interpretação estava num opúsculo publicado pela Prefeitura "Brasão de Armas de São Paulo - Segundo Concurso". O opúsculo do primeiro concurso eu não tenho, mas eu tenho uma cópia desse opúsculo do segundo concurso, com as descrições e interpretações de todos os projetos oferecidos pelos concorrentes. O primeiro concurso público para o brasão de armas da cidade de São Paulo, teve como resultado que a Comissão Julgadora entendeu que nenhum dos projetos servia. Aí foi feito um segundo concurso. Nessa altura, o Wasth Rodrigues e o Guilherme de Almeida se uniram e juntos fizeram essa beleza que é o brasão de armas. E eles fizeram a justificação, que deveria ser incorporada ao texto legal. E nunca foi. Então, naquela ocasião, eu que conhecia essa circunstância e tinha em mãos aquele opúsculo, coisa que pouca gente tem - eu fui buscar na Biblioteca Municipal. Assim, a lei fica sendo uma lei didática.

 

Gabriel - Com a interpretação?

 

Escobar - Com a interpretação, descrição e modulagem. Porque a bandeira não tem tamanho. A bandeira pode ser feita desde aquela pequenininha para colocar na mesa de gabinete até a de Brasília, que é imensa. Mas não é o tamanho, é a proporção.

 



Escrito por gabriel às 16h24
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]